Saúde e DDHH
01/06/2011
Nota do Sepe sobre o fechamento de escolas estaduais noturnas


Sobre o fechamento de 22 escolas da rede estadual que funcionam no horário noturno em prédios de unidades da rede municipal do Rio de Janeiro, o Sepe tem a informar que:



Desde que fomos comunicados sobre o problema alguns diretores do sindicato realizaram reuniões com algumas das escolas que estão sendo ameaçadas de extinção,como o CE Francisco Cabrita, a EE Pedro Varela, a EE Celestino Silva e o CE Equador, que se localizam nas áreas de abrangências das Regionais I e III do Sepe. Nestas reuniões ficou acertado de que as comunidades escolares seriam convocadas para realizar um ato conjunto na quinta-feira (dia 02/6) na Alerj, já que fomos informados que, neste dia, a sessão do plenário será estendida até as 19h30m. O sindicato também está tentando marcar uma audiência com a Comissão de Educação da Alerj para denunciar o fechamento das escolas e a conseqüente redução de vagas na rede estadual.

Também estamos estudando uma forma de entrar com uma representação no Ministério Público para denunciar o fechamento das escolas, sob a alegação de que, agindo desta maneira,o secretário de Educação, Wilson Risolia, estaria promovendo o fechamento de vagas nas escolas estaduais. Do mesmo modo, ao promover a transferência dos alunos das escolas fechadas para unidades localizadas em áreas próximas, a SEEDUC prejudica alunos e profissionais que trabalham nestas escolas, além de provocar um aumento no número de alunos das turmas nas escolas que continuarão em funcionamento.

O Sepe tem um posicionamento contrário ao fechamento das escolas, já que entendemos que a SEEDUC deveria aumentar a oferta de vagas e, não, promover o fechamento das unidades por razões que visam a “economia” e a redução dos custos, como se os problemas da educação estadual se reduzissem a uma questão tecnocrática e economicista que privilegiam os lucros e os resultados.

Já não é a primeira vez que o sindicato se envolve numa luta pela manutenção de uma escola em funcionamento. No ano passado, apoiamos a luta das comunidades escolares de escolas municipais que funcionam na área do Sambódromo e, depois de protestos nas escolas e na prefeitura conseguimos uma importante vitória, que obrigou a SME a recuar e manter as escolas em funcionamento. Desta vez, a luta não será diferente. E por isto, estamos mobilizando as comunidades escolares das 22 escolas ameaçadas de extinção para mostar ao governo estadual que a população e os profissionais de educação não permitirão que a visão mercantilista e empresarial contaminem e destruam a Escola Pública no Rio de Janeiro.


Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação do RJ
Endereço: Rua Evaristo da Veiga, 55 - 8º andar - Centro - Rio de Janeiro/RJ
Telefone: (21) 2195-0450