Agende seu atendimento pelo Departamento Jurídico do Sepe no fone: (21) 2195-0457 (10h às 16h).

Em matéria veiculada na manhã de hoje (dia 6/1), o telejornal Bom Dia Rio da TV Globo denunciou a precária situação dos servidores aposentados de São João de Meriti que estão com salários atrasados há meses e ainda não receberam o 13º salário de 2019 e 2018. A matéria enfocou em especial a situação dos aposentados da Educação municipal, ouvindo uma professora aposentada e uma diretora do Sepe Meriti. As duas expuseram a situação de penúria a que se encontram submetidos os servidores aposentados daquele município, alguns com até oito meses de atraso salarial. Veja a reportagem pelo link:https://tinyurl.com/ygshbvas

0

Em matéria veiculada na manhã de hoje (dia 6/1), o telejornal Bom Dia Rio da TV Globo denunciou a precária situação dos servidores aposentados de São João de Meriti que estão com salários atrasados há meses e ainda não receberam o 13º salário de 2019 e 2018. A matéria enfocou em especial a situação dos aposentados da Educação municipal, ouvindo uma professora aposentada e uma diretora do Sepe Meriti. As duas expuseram a situação de penúria a que se encontram submetidos os servidores aposentados daquele município, alguns com até oito meses de atraso salarial. Veja a reportagem pelo link:https://tinyurl.com/ygshbvas

0

Em entrevista ao Jornal Extra (edição de 06/1), o secretário estadual de Fazenda, Luiz Claudio Rodrigues de CAvalho, disse que não existe possibilidade de concessão de reajuste salarial para os servidores estaduais neste ano. Caso as expectativas do secretário se confirmem, o funcionalismo do estado caminhará para o sexto ano consecutivo sem reajuste salarial ou reposição das perdas com a inflação neste período. O último reajuste foi concedido em 2014. A rede estadual já está preparando a mobilização e, no dia 11 de fevereiro, fará uma paralisação de 24 horas, com assembleia (local e horário a confirmar) para discutir as estratégias para obrigar o governo do estado a atender as nossas reivindicações e conceder reajuste salarial. 

Na entrevista, Rodrigues disse ainda que o calendário de pagamento deste ano está mantido e que o calendário permanece o mesmo de 2019 (até o 10º útil do mês). Questionado novamente sobre a possibilidade de revisão anual salarial para o funcionalismo – a única forma de correção salarial prevista pelo Regime de Recuperação Fiscal ao qual o estado do Rio de Janeiro se encontra submetido desde o governo Pezão, Rodrigues escplicou que não há no horizonte nenhuma expectativa de  que isto ocorra, já que o estado terá que pagar, até o fim de 2020, duas dívidas: o empréstimo que tem a Cedae como garantia e o serviço  da dívida com a União. As duas juntas somam mais de R$ 6 bilhões.

Para ver a entrevista completa do secretário ao Jornal Extra clique no link: https://tinyurl.com/yjxncucd

0

Em entrevista ao Jornal Extra (edição de 06/1), o secretário estadual de Fazenda, Luiz Claudio Rodrigues de CAvalho, disse que não existe possibilidade de concessão de reajuste salarial para os servidores estaduais neste ano. Caso as expectativas do secretário se confirmem, o funcionalismo do estado caminhará para o sexto ano consecutivo sem reajuste salarial ou reposição das perdas com a inflação neste período. O último reajuste foi concedido em 2014. A rede estadual já está preparando a mobilização e, no dia 11 de fevereiro, fará uma paralisação de 24 horas, com assembleia (local e horário a confirmar) para discutir as estratégias para obrigar o governo do estado a atender as nossas reivindicações e conceder reajuste salarial. 

Na entrevista, Rodrigues disse ainda que o calendário de pagamento deste ano está mantido e que o calendário permanece o mesmo de 2019 (até o 10º útil do mês). Questionado novamente sobre a possibilidade de revisão anual salarial para o funcionalismo – a única forma de correção salarial prevista pelo Regime de Recuperação Fiscal ao qual o estado do Rio de Janeiro se encontra submetido desde o governo Pezão, Rodrigues escplicou que não há no horizonte nenhuma expectativa de  que isto ocorra, já que o estado terá que pagar, até o fim de 2020, duas dívidas: o empréstimo que tem a Cedae como garantia e o serviço  da dívida com a União. As duas juntas somam mais de R$ 6 bilhões.

Para ver a entrevista completa do secretário ao Jornal Extra clique no link: https://tinyurl.com/yjxncucd

0