Recepção: (21) 2195-0450. Whatsapp: (55) 2197069-2600. Agende seu atendimento pelo Departamento Jurídico: (21) 2195-0457 (10h às 16h).

O Sepe informa aos profissionais de educação da rede municipal do Rio de Janeiro que estão abertas as inscrições para a assembleia online da rede municipal do Rio de Janeiro, que será realizada, que será realizada na próxima sexta-feira (dia 28 de maio), às 16h, via plataforma Zoom.

PERÍODO DE INSCRIÇÃO: as inscrições já estão abertas e o término será às 22h da quinta-feira (27/5)

a) A INSCRIÇÃO será feita por meio do seguinte LINK: https://rio.seperj.info/

b) Caso não esteja ainda cadastrado o profissional será encaminhado para preencher o formulário de cadastramento (será solicitado envio de contracheque digitalizado da rede em questão);

c) No prazo de até 24 horas será informada a aprovação (ou não) de seu cadastro;

d) Após a aprovação do cadastro o profissional receberá uma mensagem de e-mail com a confirmação da inscrição e link para ativação de sua senha (confira nas Caixas de Spam ou de Promoções);

 

e) No dia da assembleia o profissional devidamente cadastrado e com a senha ativada receberá por e-mail links de acesso a plataforma Zoom e para votação de propostas.

0

Os professores e professoras do Programa de Educação de Jovens e Adultos (Peja) se reuniram nessa terça-feira (20/04) em plenária on-line convocada pelo Sepe e deliberaram diversas questões, entre elas, o pedido de realização de audiências com as seguintes instituições, tendo em vista a discussão de uma pauta para discutir as reivindicações desse segmento: Câmara dos Vereadores RJ, Conselho Municipal de Educação RJ, GEJA/SME RJ, Ministério Público e Fórum Municipal de Educação.

A plenária também deliberou que irá cobrar da SME RJ uma audiência para discutir as especificidades da EJA, que estão sendo desrespeitadas nas resoluções sobre avaliação diagnóstica, atividades discentes e uso das plataformas para acesso aos estudantes.

Leia aqui o documento com as decisões da Plenária do Peja.
0

O próximo “É na Rede que a Gente se Encontra”, nesta sexta-feira (21), às 18 H, conversará sobre o tema “REFORMA DO ENSINO MÉDIO: O QUE A EDUCAÇÃO E OS PROFESSORES TÊM A PERDER”, com a participação de Thiago Esteves (Associação Brasileira de Ensino em Ciência Sociais – ABECS); Mônica Mesquita (atriz, diretora, profª do IFF e membra da FAEB/RJ); Paulo Mello (professor da Universidade Estadual de Ponta Grossa, UEPG/PR); e  Marcos Couto (diretor da AGB-Niterói, Professor do Departamento de Geografia da FFP-UERJ São Gonçalo)

 

O programa É NA REDE QUE A GENTE SE ENCONTRA tem sempre transmissão ao vivo (simultaneamente) pelo Youtube e pelo Facebook.

Facebook – https://www.facebook.com/260528207360293/posts/3975142252565518/

Youtube – https://www.youtube.com/watch?v=C3vz7UvEq1A




0


A UNESCO está estudando as experiências dos professores durante a pandemia de Covid-19 e convida profissionais do Ensino Fundamental ou Médio em escola pública na cidade do Rio de Janeiro para participarem de uma pesquisa sobre as condições de trabalho e cotidiano nas unidades de ensino. O objetivo é compreender como professores, sindicatos, escolas e governos têm conversado entre si sobre educação, preocupações dos professores e a pandemia de covid-19. O link para participação na pesquisa é o seguinte:


https://forms.gle/ZFDCyHTFLTkYg1qJ6 

 

A consulta leva apenas de 5 a 10 minutos para ser preenchida on line e a resposta dos profissionais é confidencial e anônima, não sendo coletadas informações de identificação, como nome, endereço de email ou endereço de IP.

0

Durante a divulgação do 20º Boletim Epidemiológico da cidade do Rio de Janeiro, nesta sexta-feira (dia 21/5), o secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz, anunciou a volta do calendário de vacinação contra a covid-19 para os profissionais de educação. A vacinação da categoria, assim como a de outras, havia sido interrompida na cidade do Rio de Janeiro depois de uma decisão do STF.

Segundo a prefeitura, o cronograma de imunização para os profissionais de educação retornará com a imunização de pessoas de 49 anos ou mais. Para se vacinar é necessário apresentar um contracheque que comprove o vínculo de trabalho na instituição de ensino

0



O Sepe repudia de forma veemente a fala do deputado federal Ricardo Barros (Progressistas), líder do governo na Câmara dos Deputados, que criticou os professores ontem (dia 20/4), afirmando que a categoria não “quer trabalhar” e defendeu a aprovação do PL 5595/2020 aprovado em primeira votação nesta terça-feira (dia 20) que quer transforma a educação em serviço essencial com funcionamento das escolas para trabalho presencial mesmo em meio a pandemia. Segundo Barros, “é absurdo permitir que os professores causem tantos danos à formação das crianças e, como já teriam passado em concurso, não querem se modernizar nem se atualizar e estariam apenas à espera da aposentadoria”.

 

O sindicato gostaria de esclarecer que o parlamentar, no mínimo, mente ao dizer que os professores não estão trabalhando na pandemia. Desde o ano passado, quando medidas de isolamento social, como o fechamento das escolas para o trabalho presencial, foram adotadas em todo o país, a categoria trabalhou, e muito, por meio das plataformas de ensino à distância, mesmo sem dispor das condições técnicas para tal. Caso algum dano tenha sido causado aos alunos das escolas públicas, este é de responsabilidade das autoridades do Poder Executivo e dos Legislativos federal, estaduais e municipais, que nunca colocaram a educação como prioridade e como um setor essencial para o desenvolvimento do país, disponibilizando mais verbas, recursos e implementando políticas de valorização dos profissionais de ensino e investindo na melhoria das condições de infraestrutura das escolas.


Para o Sepe, ao invés de ocupar a tribuna do Congresso para atacar os profissionais de educação, Barros – que integra a base de apoio do governo Bolsonaro, marcada pelo negacionismo e pela falta de disposição para o enfrentamento da pandemia – deveria lutar com seus pares para dotar os professores e estudantes de equipamentos e de meios decentes para a conexão com a internet. Esta falta de acesso é que prejudicou milhares de alunos em todo o Brasil e, não, a falta de disposição da categoria para o trabalho.


Entendemos que o discurso do parlamentar que, infelizmente, é também o de muitos políticos alinhados com o governo Bolsonaro. Estas autoridades sempre se pautaram na negação da pandemia e das medidas que são indiscutivelmente eficazes para conter a disseminação do coronavírus e evitar a contaminação de mais de 13 milhões e a morte de mais de 370 mil brasileiros.

 

Ao acusar os professores de uma forma grosseira e injusta, Barros quer jogar nas costas dos mesmos uma responsabilidade que não é deles. Ao defender a aprovação do projeto que torna as escolas um serviço essencial, o deputado se alia aqueles que defendem a intervenção federal contra a autonomia de estados e municípios para a tomada de medidas que protejam a saúde da população, entre elas, o de fechar escolas e demais atividades para a contenção da escalada da pandemia no Brasil.

 

O deputado, que é médico e já foi ministro da Saúde, deveria saber muito bem que o mal causado pela covid-19 no Brasil é fruto da incompetência, má vontade e negacionismo daqueles, como ele próprio que, desde o primeiro caso registrado no país, se omitiram e não seguiram os preceitos da ciência e os alertas dos especialistas. Como parlamentar, Ricardo Barros deveria ser o primeiro a seguir as determinações da Constituição Federal, que garantem o direito de greve de todos os trabalhadores. Quando a vida dos professores e dos seus alunos é colocada em risco pela irresponsabilidade das autoridades, este direito à greve, pela defesa da vida e da saúde, se torna um direito mais inalienável. Todo o nosso repúdio ao discurso do deputado Ricardo Barros e todos aqueles que seguem este tipo de cartilha que nega o direito da população à vida e à saúde.

0

Em assembleia virtual realizada neste sábado (dia 20 de março) os profissionais de educação da rede municipal do Rio de Janeiro aprovaram a manutenção da greve em defesa da saúde e da vida e contra o retorno presencial das atividades escolares, mas com manutenção das atividades remotas em home office. Foram 195 votos (87,4%) a favor da manutenção da greve; 8 votos ((3,6%) pela suspensão. 20 profissionais (9%) se abstiveram.


Veja os detalhes da votação e outras deliberações da categoria na plenária virtual de hoje:

1) Sobre a greve em defesa da saúde e da vida:

– A assembleia da Rede Municipal do Rio aprova a MANUTENÇÃO da GREVE EM DEFESA DA SAÚDE E DA VIDA contra o retorno presencial das atividades escolares mas com a manutenção das atividades remotas em home Office.

195 votos (87,4%) a favor da manutenção da greve.

– A assembleia da rede municipal do Rio aprova a SUSPENSÃO da GREVE EM DEFESA DA SAÚDE E DA VIDA contra o retorno presencial das atividades escolares mas com a manutenção das atividades remotas em home Office.
8 votos (3,6%) votos pela suspensão da greve.

– Abstenções

20 votos (9%)

2) Sobre o formato das manifestações do SEPE durante a pandemia:

A) Que o SEPE realize protestos presenciais de forma simbólica contra o retorno presencial das atividades escolares, por reajuste salarial e pela pauta de reivindicações da categoria, mantendo o caráter simbólico das manifestações nos momentos de alta da pandemia, respeitando todos os protocolos sanitários.

127 votos (57%)

B) Que o SEPE convoque protestos presenciais por reajuste salarial e pela pauta de reivindicações da categoria com ampla convocação e forme uma comissão sanitária para garantir os cuidados necessários durante essas ações.

27 votos (12,1%)

C) Que o SEPE não realize protestos presenciais durante a pandemia.

55 votos (24,7%)

Abstenções:

14 votos (6,3%)

3) A assembleia da rede municipal do RJ aprova a participação dos profissionais da educação no Dia Nacional de Lutas intitulado “Lockdown Nacional da Classe Trabalhadora”, convocado de forma unitária pelas Centrais sindicais, Frentes e movimentos sociais dia 24/03/21. A participação nessas atividades acontecerá:

A) com a paralisação integral (remota e presencial) da categoria.

141 votos (63,2%)

B) sem a paralisação integral (remota e presencial) da categoria.

46 votos (20,6%)

Abstenções:

36 (16,1%) se abstiveram. 

boletim3590

0

O projeto que prevê a reabertura de escolas e faculdades durante a pandemia (PL 5595/20) foi aprovado no Plenário da Câmara dos Deputados, já tarde da noite dessa terça-feira (20). O texto torna a educação básica e superior um “serviço essencial” e que não pode ser interrompido mesmo durante a pandemia (salvo se houver critérios técnicos e científicos justificados pelo Poder Executivo quanto às condições sanitárias do estado ou município).

O projeto é a cara do atual governo federal: autoritário, passou sem discussão e negacionista. Melhor faria a Câmara dos Deputados se discutisse e aprovasse um auxílio emergencial decente e não o atual de apenas R$ 150; ou uma forma mais rigorosa de cobrar o governo e o Ministério da Saúde por mais vacinas contra a covid; nem falamos do impeachment…

De qualquer maneira, a discussão sobre o PL 5595/21 foi para o Senado. É lá que os profissionais da educação têm que pressionar, diariamente, exigindo que os senadores não aprovem essa aberração negacionista e que só servirá para agradar os donos das escolas privadas e os governantes inescrupulosos.

Neste link, você, profissional da educação, poderá contatar os senadores em seus gabinetes; com os nomes dos parlamentares que estão nesta lista, no site do Senado, vá também ao Instagram, Face e twitter e comente também nas redes sociais deles, contra o PL 5595/2020.

0