Agende seu Atendimento Virtual pelo Departamento Jurídico do Sepe nos fones: (21) 99992-4931 (9h às 11h); (21) 97133-7101 (13h às 15h); ou pelo email: juridico@seperj.org.br – segunda a sexta feira

Nova chamada de professores da rede estadual aprovados em concurso (Professor Docente I 16 e 30 horas) foi publicada no Diário Oficial desta segunda-feira (09/09), às páginas 20 e 21. Esta chamada se deu em cumprimento de uma decisão da Justiça ganha pelo Sepe: o governo do estado está convocando professores aprovados nos concursos de 2013 e 2014. Nesta segunda (9), saiu uma listagem.

Acesse as páginas a seguir.

Página 20.

Página 21.

0

Como entidade representativa dos profissionais de educação há 42 anos na luta pelos direitos à educação pública de qualidade e pela democracia em nosso país, o Sepe não poderia deixar de expressar o seu repúdio contra a atitude do prefeito Marcelo Crivella, no final da semana passada e durante o sábado e domingo, de censurar uma publicação em exposição na XIX Bienal do Livro no Riocentro e de tentar via Justiça recolher livros com temática LGBTQ na exposição. A atitude de Crivella se junta a uma série de outras ações e tentativas de governos, como o federal e o estadual do Rio de Janeiro que não tem compromisso com a democracia de tentar calar a opinião e ações de grupos ligados aos direitos de negros, grupos de defesa dos direitos LGBTQs e de direitos humanos.
 
As tentativas frustradas de Crivella tiveram resposta imediata da sociedade, dos grupos ligados à defesa das minorias, da Justiça e da direção da Bienal do Livro, que condenaram o envio de fiscais e guardas municipais para recolherem livros da exposição. 
 
Não é a primeira vez que o prefeito do Rio de Janeiro, ao invés de cuidar dos muitos problemas enfrentados pela cidade e que saltam aos olhos de qualquer carioca, toma atitudes autoritárias como esta. Em 2017, primeiro ano da sua gestão, Crivella fez campanha pública contra a instalação da exposição “Queermuseu”, que estava sendo realizada no Museu de  Arte do Rio (MAR). O prefeito segue os passos do presidente Jair Bolsonaro, outro governante que ataca os direitos LGBTQs e de outras minorias desde a campanha eleitoral e, na última semana, suspendeu um edital para séries LGBTQs que seriam produzidas pela Empresa Brasileira de Comunicação (EBC). Bolsonaro se notabilizou nas mídias e eventos no Palácio do Planalto por suas frases homofóbicas e apoio à medidas que vão contra os direitos da população em geral e dos LGBTQs em particular.
 
Como profissionais de educação, não podemos admitir que governos autoritários, com nítidas intenções eleitorais, cometam atos para agradar o seu eleitorado conservador e ajam contra os direitos do restante da população, trazendo de volta a censura para um país que, durante muitas décadas viveu sob o jugo de uma ditadura militar feroz, que perseguiu minorias e coibiu de maneira selvagem o direito à livre expressão.
 
SEPE RJ – SINDICATO ESTADUAL DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO DO RIO DE JANEIRO
0

Nota de apoio à luta dos profissionais de educação do Colégio Brigadeiro Newton Braga 
  
Neste sábado, 07/09, a Regional 2 do Sepe participou da assembleia ampliada, promovida pela Sinasefe-seção sindical, do Colégio Brigadeiro Newton Braga, que aconteceu a partir das 14h, no Bairro da Saúde, no Vestibular Comunitário Marielle Franco. Com a participação de professores, professoras e responsáveis, a pauta em questão foi o encerramento das atividades do único  Colégio Público Federal da Zona da Leopoldina, que funciona na Ilha do Governador, sob a responsabilidade da Força Aérea Brasileira. O Colégio Brigadeiro Newton Braga é uma unidade de educação assistencial, não militar, que recebeu, surpresa, nesta sexta-feira, dia 06/09, a notícia de que seria estadualizada até o ano 2024. A mobilização de toda a comunidade escolar foi imediata e decidiu, nesta assembleia, defender o ensino público de qualidade e lutar pela manutenção da federalização do colégio. 
 
A direção da Regional 2 apoia, de forma solidária e fraterna, a luta dos profissionais e da comunidade escolar do Colégio Newton Braga e propõe que o Sepe aprove uma moção de apoio ao movimento de resistência desses companheiros. 
 
Reproduzimos o depoimento de Flavio Santiago sobre o histórico do colégio:
 
ÚNICA ESCOLA FEDERAL NA ILHA PODE ACABAR!
 
É com grande indignação que recebo a notícia que o Colégio Brigadeiro Newton Braga, tradicional colégio da Ilha do Governador, não irá mais existir. A escola, que é única da rede Federal na região, não será mais mantida pela Força Aérea Brasileira, segundo reunião realizada em Brasília essa semana.
O Newton Braga é uma escola histórica da Ilha, com quase 60 anos de existência, sempre conseguiu manter um ótimo nível na educação. Seu corpo docente é exemplar e ativo, apresentando excelentes números em aprovações no ENEM, vestibulares e carreira militar, como também presenciei uma participação ativa na preocupação com os Direitos da Criança e do Adolescente, seja no cuidado em trazer pais e responsáveis para atuarem na vida escolar dos seus filhos, como atividade exemplar em casos mais graves no tratamento de questões familiares, psicológicas, bullying, violência, etc.
 
O Colégio apresenta estrutura excelente e seu corpo humano é fator fundamental para que seus alunos se apaixonem e saiam de lá apegados à instituição. Os alunos e as alunas que ali passaram falam com brilhos nos olhos sobre o Newton. Passar o colégio para a rede estadual significa o fim de uma história de sucesso. A SEEDUC já enfrenta inúmeros problemas que não consegue resolver e desvaloriza o profissional de educação.
Não podemos assistir ao fim dessa história. Lutemos e torçamos para que a União volte atrás e não abandone o colégio que é orgulho da Ilha do Governador e região.
 
Como diz o hino do Colégio: Salve Newton Braga!
 
FLÁVIO SANTIAGO
Conselheiro Tutelar
Economista e jornalista
0