Agende seu atendimento pelo Departamento Jurídico do Sepe no fone: (21) 2195-0457 (10h às 16h).
Em assembleia realizada ontem (dia 25/5) os profissionais da rede municipal de Valença decidiram pela continuidade da greve da categoria nesta quinta-feira (dia 26) e sexta-feira (dia 27). A categoria fez passeata até a prefeitura, onde uma comissão de profissionais foi recebida pelo prefeito e sua equipe em audiência. Na reunião, o governo municipal reafirmou que insistirá com a proposta de 2,3% para a reposição inflacionária e o não pagamento do retroativo do piso neste momento.

Nesta sexta-feira (dia 27/5), a categoria realizará uma nova audiência para discutir os rumos do movimento. A plenária será realizada no Adro da Catedral, a partir das 14h. 
0

O Sepe RJ vem a público manifestar o seu repúdio a mais uma ação das forças de segurança no Estado do Rio de Janeiro, que culminou na morte de, pelo menos 25 pessoas, no Complexo de Favelas da Penha, no dia 24 de maio. Por conta dos intensos tiroteios que começaram na madrugada e continuaram ao longo de todo o dia, 11 escolas municipais, postos de saúde e outros serviços prestados aos moradores do local permaneceram fechados ao longo do dia, prejudicando milhares de pessoas. Na manhã do dia 25 de maio, as escolas e creches municipais permaneciam fechadas por falta de segurança e funcionando por meio do ensino remoto.

 

Não podemos calar diante da gravidade dos fatos e da falta de planejamento e de respeito pelos direitos humanos da parte das autoridades responsáveis pelo comando das polícias militar e civil no Estado do Rio de Janeiro. A repetida violência no bojo destas operações já provocou, no período de um ano, a morte de 181 pessoas, o que atesta uma verdadeira política de extermínio das populações moradoras em favelas e bairros periféricos da capital. Questionamos aqui se tal número de mortes ocorreria em bairros mais nobres da cidade, onde o tratamento e o comportamento das forças de segurança são muito diferentes e as ações são realizadas com muito mais cuidados por parte dos agentes. O governador Cláudio Castro e o governo federal tem que dar uma resposta concreta e adotar novas práticas que privilegiem a segurança e a integridade das comunidades ao invés de assumirem a defesa da barbárie.

 

Ao longo dos anos, temos denunciado a violência das operações policiais em áreas mais carentes, a qual, muitas vezes, resultam em mortes de crianças que estudam nas nossas escolas localizadas dentro e no entorno destas comunidades. Todos ainda lembram do caso da jovem estudante Maria Eduarda, de 13 anos, morta na quadra da Escola Municipal Daniel Piza (Acari) ao ser atingida por um disparo de arma de fogo durante uma ação policial. Assim como Maria Eduarda, muitos outros jovens, integram as estatísticas deste quadro de horror, com suas vidas ceifadas pelas balas de armas utilizadas em cenários de guerra tradicional, mas que integram o cotidiano das batalhas travadas entre policiais e traficantes de drogas nestes bairros populosos sem qualquer preocupação com a salvaguarda do bem mais importante de todos, que é a vida das pessoas.

 

Por conta destes fatores, o Sepe se coloca ao lado das famílias das vítimas e dos demais moradores e trabalhadores que lutam pela sua sobrevivência nestes locais conflagrados por causa da ausência do estado e da total falta de políticas públicas que permitam uma melhoria das suas condições de vida. Ao mesmo tempo, os profissionais de educação conclamam os órgãos competentes, como o Ministério Público, Supremo Tribunal de Justiça e Supremo Tribunal Federal, assim como as casas legislativas do Estado do Rio de Janeiro e o Congresso Federal para que, juntamente com entidades e órgãos ligados à defesa dos direitos dos cidadãos, impeçam a continuação desta verdadeira política de extermínio que vitima, na sua quase totalidade dos casos, a população pobre na cidade do Rio de Janeiro.

 

0

Os profissionais de educação da rede municipal de Mesquita realizarão paralisação de 24h nesta quarta, dia 25, em defesa da recomposição salarial (sete anos de salários congelados), concurso público, melhores condições de trabalho e melhor estrutura para as escolas e merenda escolar.

O Sepe Mesquita convoca toda a categoria para estar presente no ato às 9horas na praça de Edson Passos. Em seguida, haverá uma caminhada até a sede da prefeitura.
A pauta está extensa e o governo não recebe o sindicato para dialogar e ouvir as demandas da categoria.
0


Na próxima quarta-feira, dia 25 de maio, o Sepe Nova Iguaçu realizará um encontro de representantes de escola da rede municipal.

Turno da manhã: 8h30
Turno da tarde: 13h

Local: SINTSAUDERJ
Rua Ernestina, n.º 87
Centro de Nova Iguaçu

Lembramos que é necessário realizar a eleição, de acordo com as instruções presentes na ata de eleição e que haverá abono de ponto para as/os representantes.

Participe! Traga as demandas dos/das profissionais da sua escola e contribua para a construção da nossa luta!

POR QUE ELEGER REPRESENTANTES NA SUA ESCOLA?

Representantes de escola são importantes para a construção das lutas por melhores condições de trabalho, são o elo entre as escolas e o nosso sindicato, permitindo envolver a categoria como um todo na formulação das políticas que orientam o movimento sindical.

Para eleger representante(s) na sua escola, basta utilizar este modelo de ata, onde serão registrados os nomes dos representantes eleitos e as assinaturas dos trabalhadores da escola.

Ajudem a eleger representantes em sua escola!
0

O Sepe convoca os secretários escolares das escolas municipais do Rio de Janeiro para a plenária virtual, que será realizada pela rede Zoom, no dia 25 de maio, a partir das 19h. Veja como participar da reunião:

 

Plenária de secretários escolares MRJ – Sepe/RJ

25 mai. 2022 19h

 

Entrar na reunião Zoom

https://us02web.zoom.us/j/81715159131?pwd=ZU9rQTVkOFA3MXdEa1luaUR5OGFTUT09

ID da reunião: 817 1515 9131

Senha de acesso: 772025

0

A direção do Sepe teve uma audiência no final da tarde desta sexta-feira (dia 20/5) com a SMERJ para tratar da questão do Decreto 50.783, do prefeito Eduardo Paes, com data de 10 de maio de 2022, que diz respeito a uma suposta valorização para as cozinheiras escolares, agentes de educação II e inspetores de alunos, mas que verdadeiramente não contemplava estas categorias em questão. No encontro, a pressão do sindicato e a mobilização da categoria obteve uma importante vitória, garantindo a valorização de todos os trabalhadores que se encontram no quadro de apoio do PCCS da rede municipal.

Estiveram presentes na audiência, a direção do sindicato, o secretário municipal de Educação, Antoine Lousão e os vereadores Márcio Santos, presidente da Comissão de Educação da Câmara Municipal e Tarcísio Motta.

No encontro, o Sepe apresentou para a SME os problemas decorrentes com a retirada pelo decreto do prefeito do adicional de qualificação, que foi retomado com outro nome, o de valorização. O sindicato questionou o secretário a respeito da situação das cozinheiras escolares que não têm o ensino médio e que poderiam ficar de fora desta valorização.

Antoine Lousão garantiu que todos os trabalhadores que estão no quadro de apoio no PCCS receberão piso salarial igual independentemente da formação. Assim, os salários de todas as categorias do apoio serão equiparados ao piso vencimental do ensino médio a partir do próximo mês. Também foi criado um Grupo de Trabalho para que se possa fazer a regulamentação da lei das cozinheiras escolares.

Lousão também acatou o nosso pedido de realização de cursos pela prefeitura para que os funcionários possam ter direito ao novo adicional de incentivo. Ele também disse que será revisto o decreto 17.042 e que, de imediato, será feita uma revisão, na qual ficará esclarecido que ao se tirar o BIM por afastamento de doença não se perderá o valor da gratificação.

Além da ampliação deste debate a respeito do adicional pela qualificação, também foram tratadas na reunião a questão dos triênios, da política municipal de formação e valorização dos profissionais de educação, prevista no Plano Municipal de Educação, já que teremos, nos dias 23 e 24 de junho a realização da II Conferência Municipal de Educação. Por isso, alertamos os agentes educadores para que fiquem atentos a esta discussão, afim de que o curso de qualificação previsto no recente decreto do prefeito possa se tornar uma política efetiva de valorização.

O Sepe destaca que o debate sobre esta questão foi ampliado para além dos segmentos compostos por cozinheiras, agentes educadores e inspetores de alunos e passou a englobar todos os profissionais não docentes da rede municipal.

O Sepe convoca todos os profissionais para a paralisação do dia 1º de junho, com assembleia na Quadra da Escola de Samba Estácio de Sá, às 9h, seguida de ato na prefeitura, na qual novamente estaremos na rua para lutar pela conquista de todas as nossas reivindicações.

0

A Regional IX do Sepe convoca os profissionais das redes estadual e municipal RJ para a assembleia local unificada virtual, que será realizada no dia 26 de maio, a partir das 17h30m. Veja os detalhes da plenária e como se inscrever abaixo:

Assembleia Local Unificada Virtual da Regional IX

Data: 26/05/2022

Horário: 17:30h

Pauta:

– Apresentação da Nova Direção.

– Migração/ Audiências (Município).

– Triênio/ 1/3/ Audiência (Estado).

– Outros informes.

Faça sua inscrição através do e-mail: regional9.secretaria@gmail.com


 

0

1/3 NA REDE MUNICIPAL RJ: GT SE REUNIU COM AS PRESENÇAS DO SEPE, SMERJ E MANDATO DE VEREADORES

 

Nesta terça-feira (17), o SEPE-RJ participou da primeira reunião do novo GT sobre a implementação do 1/3 extraclasse na rede municipal RJ (cumprimento da Lei 11738/2008 – lei do Piso Nacional).

Presentes, pela SMERJ, Willman Costa, assessor especial do secretário de Educação; Daniela Abreu e Cláudia Trindade, respectivamente representantes dos mandatos dos vereadores Chico Alencar e Tarcísio Motta (Psol); e os diretores do Sepe, Marcel Gavazza, Samantha Guedes e Duda Quiroga (foto).

Na reunião, Daniela Abreu informou que o mandato já desarquivou, na Câmara de Vereadores, o PL nº 843/2014, de autoria do ex-vereador Renato Cinco e que implementa o 1/3 na rede; falou também sobre a importância de o projeto ser reconstruído em diálogo com a SME e os vereadores da base do governo, garantindo que o PL seja aprovado.

A direção do Sepe informou que já há sentença transitada em julgado na ação movida pelo sindicato, garantindo o 1/3 de planejamento extraclasse a todos os profissionais da rede, e que cabe à SMERJ implementar o 1/3. A direção do sindicato também entende que uma lei municipal fortaleceria ainda mais esse direito.

Na sequência os diretores do Sepe fizeram algumas avaliações sobre a função deste tempo que é destinada a: planejamento; reuniões pedagógicas; correção de trabalhos e ou análise do grafismo; preenchimento do 3.0; e formação continuada oferecida pela SME ou de livre escolha.

Foi pontuado, ainda, sobre as condições das unidades escolares, algumas sem salas de professores, muitas sem computadores e acesso à internet e, portanto, da importância de cumprir a maior parte do tempo extraclasse fora da escola.

Willman salientou que o nó para garantir o 1/3 em toda a rede é a educação infantil, que hoje não tem esse direito garantido. O Sepe também frisou, em relação à educação infantil, que a dificuldade se agrava especialmente para os profissionais que atuam com turmas de 4 e 5 anos em EDI. Ainda sobre essa questão, falou-se de experiências em outras prefeituras, como em Niterói, que há alguns anos remunerou o 1/3 das professoras da Educação Infantil como hora extra até fazer a transição para o pagamento em definitivo, como já ocorre hoje. O sindicato foi firme na defesa de que a prefeitura tem que garantir o cumprimento da lei para todos os segmentos da rede.

A reunião terminou com o acordo de que serão feitos pelo menos mais quatro encontros para fechar o projeto a ser apresentado na Câmara dos Vereadores, conjuntamente. O próximo encontro irá ocorrer no próximo dia 31 de maio.

0

Os profissionais de educação da rede municipal de Mesquita realizaram greve de 24h nesta quarta, dia 18, em defesa da recomposição salarial (sete anos de salários congelados), concurso público, melhores condições de trabalho e melhor estrutura para as escolas e merenda escolar. Também foi realizado protesto em frente à prefeitura; na parte da manhã, uma comissão formada pelo Sepe Mesquita foi recebida pela Procuradoria Geral do município para discutir as questões judiciais de interesse da categoria – anexamos as fotos do ato.

No dia 25 de maio, o Sepe Mesquita convoca nova paralisação de 24h para pressionar a prefeitura a receber a categoria. No mesmo dia, ato às 9horas na praça de Edson Passos. A pauta está extensa e o governo não recebe o sindicato para negociar.
Neste link, matéria do RJTV 1 sobre o protesto: https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/rj1/
0