Agende seu Atendimento Virtual pelo Departamento Jurídico do Sepe nos fones: (21) 99992-4931 (9h às 11h); (21) 97133-7101 (13h às 15h); ou pelo email: juridico@seperj.org.br – segunda a sexta feira



O Sepe repudia de forma veemente a fala do deputado federal Ricardo Barros (Progressistas), líder do governo na Câmara dos Deputados, que criticou os professores ontem (dia 20/4), afirmando que a categoria não “quer trabalhar” e defendeu a aprovação do PL 5595/2020 aprovado em primeira votação nesta terça-feira (dia 20) que quer transforma a educação em serviço essencial com funcionamento das escolas para trabalho presencial mesmo em meio a pandemia. Segundo Barros, “é absurdo permitir que os professores causem tantos danos à formação das crianças e, como já teriam passado em concurso, não querem se modernizar nem se atualizar e estariam apenas à espera da aposentadoria”.

 

O sindicato gostaria de esclarecer que o parlamentar, no mínimo, mente ao dizer que os professores não estão trabalhando na pandemia. Desde o ano passado, quando medidas de isolamento social, como o fechamento das escolas para o trabalho presencial, foram adotadas em todo o país, a categoria trabalhou, e muito, por meio das plataformas de ensino à distância, mesmo sem dispor das condições técnicas para tal. Caso algum dano tenha sido causado aos alunos das escolas públicas, este é de responsabilidade das autoridades do Poder Executivo e dos Legislativos federal, estaduais e municipais, que nunca colocaram a educação como prioridade e como um setor essencial para o desenvolvimento do país, disponibilizando mais verbas, recursos e implementando políticas de valorização dos profissionais de ensino e investindo na melhoria das condições de infraestrutura das escolas.


Para o Sepe, ao invés de ocupar a tribuna do Congresso para atacar os profissionais de educação, Barros – que integra a base de apoio do governo Bolsonaro, marcada pelo negacionismo e pela falta de disposição para o enfrentamento da pandemia – deveria lutar com seus pares para dotar os professores e estudantes de equipamentos e de meios decentes para a conexão com a internet. Esta falta de acesso é que prejudicou milhares de alunos em todo o Brasil e, não, a falta de disposição da categoria para o trabalho.


Entendemos que o discurso do parlamentar que, infelizmente, é também o de muitos políticos alinhados com o governo Bolsonaro. Estas autoridades sempre se pautaram na negação da pandemia e das medidas que são indiscutivelmente eficazes para conter a disseminação do coronavírus e evitar a contaminação de mais de 13 milhões e a morte de mais de 370 mil brasileiros.

 

Ao acusar os professores de uma forma grosseira e injusta, Barros quer jogar nas costas dos mesmos uma responsabilidade que não é deles. Ao defender a aprovação do projeto que torna as escolas um serviço essencial, o deputado se alia aqueles que defendem a intervenção federal contra a autonomia de estados e municípios para a tomada de medidas que protejam a saúde da população, entre elas, o de fechar escolas e demais atividades para a contenção da escalada da pandemia no Brasil.

 

O deputado, que é médico e já foi ministro da Saúde, deveria saber muito bem que o mal causado pela covid-19 no Brasil é fruto da incompetência, má vontade e negacionismo daqueles, como ele próprio que, desde o primeiro caso registrado no país, se omitiram e não seguiram os preceitos da ciência e os alertas dos especialistas. Como parlamentar, Ricardo Barros deveria ser o primeiro a seguir as determinações da Constituição Federal, que garantem o direito de greve de todos os trabalhadores. Quando a vida dos professores e dos seus alunos é colocada em risco pela irresponsabilidade das autoridades, este direito à greve, pela defesa da vida e da saúde, se torna um direito mais inalienável. Todo o nosso repúdio ao discurso do deputado Ricardo Barros e todos aqueles que seguem este tipo de cartilha que nega o direito da população à vida e à saúde.

0