Agende seu Atendimento Virtual pelo Departamento Jurídico do Sepe no fone: (21) 9999-24931 (manhã); ou pelo email: juridico@seperj.org.br

O secretário de Educação municipal do Rio de Janeiro, Renan Ferreirinha, anunciou nessa segunda e terças feiras (15 e 16), na imprensa e redes sociais, que irá continuar com as aulas presenciais nos níveis que as iniciaram desde fevereiro: Pré-escola, 1º ano e 2º ano do Ensino Fundamental; e que manterá a reabertura de mais escolas, nesses níveis, para essa quarta-feira (17), como previsto na 1ª fase do plano da SME RJ feito ainda no início do ano.

Ele anunciou, por outro lado, a suspensão da volta às aulas presenciais dos alunos do 3º ao 5º ano, 6º ano Carioca e 9º ano. Esses alunos deverão seguir, “por enquanto, no ensino remoto”, como o próprio secretário grafou em suas redes sociais.

Na “live” que Ferreirinha fez nas redes sociais nessa segunda-feira (15) ele reconheceu, a nosso ver, que o recrudescimento da pandemia em todo o País e também em nossa cidade foi crucial para a suspensão da volta às aulas daqueles segmentos, prevista na 2ª fase do plano da SME RJ: “É óbvio que estamos analisando sempre o que está acontecendo no Brasil e no Rio de Janeiro, priorizando a questão da saúde”, disse ele nessa live (trecho entre aspas retirado de O Globo).

No telejornal “Bom Dia Rio” desta terça, o secretário foi perguntado sobre as listas de escolas que o Sepe vem informando à própria Secretaria e à imprensa, mostrando os casos de covid em seus profissionais e estudantes; mostrando as más condições estruturais de dezenas de escolas – no dia 15/03 inclusive enviamos outra listagem. O Sepe vem recebendo relatos de profissionais hospitalizados e até que faleceram por covid após voltarem ao trabalho. Além das nossas listagens, informamos nossa preocupação em todas as audiências com a SME RJ realizadas desde o início desta gestão.

No entanto, ao telejornal, o secretário respondeu que nenhum dos casos teve relação com a abertura das escolas e não deu mais explicações – convenhamos que só o fato de vivermos uma pandemia sem precedentes em nosso país, com o número de mortos ultrapassando a média de mais de 2 mil pessoas por dia; o fato de professores, funcionários, estudantes, pais e responsáveis terem que se deslocar, diariamente, quase sempre em transporte coletivo, para irem às unidades escolares onde, novamente, ficarão expostos ao contato físico; tudo isso nos leva a afirmar, ao contrário do que pensa o secretário, que sim: existe a possibilidade de parte ou de boa parte dos casos de contaminação dos profissionais e demais integrantes da comunidade escolar carioca ter ocorrido devido à volta às aulas.

Essa semana, o Sepe, o Sinpro Rio (rede privada da capital), a Feteerj (Federação estadual dos Sinpros) e demais Sindicatos dos Professores (Sinpros) que trabalham nas escolas particulares em todo o estado fizeram nota pública, reivindicando a imediata suspensão das aulas presenciais, tendo em vista o público e notório aumento dos casos, internações e aumento na fila em busca de UTI nos últimos dias por causa da covid.

Em um trecho desta nota, as entidades sindicais afirmam: “Faz-se necessário, nesse momento, que, não só na bandeira vermelha, mas também na bandeira laranja, as escolas mantenham apenas as suas atividades remotas e com isso possam continuar preservando vidas, como foi feito no ano passado, quando a pandemia não apresentava o quadro tão trágico como o de hoje” – a nota pode ser lida aqui.

Procrastinar essa decisão significa correr o risco de mais contágios e do aumento da possibilidade do colapso da rede de saúde.

Nos parece que, se a prefeitura do Rio está, de fato, baseada em debates junto ao “Comitê Científico” para tomar decisões sobre o combate à pandemia, chegou a hora de suspender as aulas presenciais em todo o município, acelerar a vacinação e aguardar uma melhor situação para discutir a volta às aulas.

O Sepe lembra a categoria que estamos em greve pela defesa da vida e nenhum profissional pode ser obrigado a colocar sua saúde em risco em meio ao crescente número de contaminações pelo coronavírus em curso.

A rede municipal de educação do Rio de Janeiro realizará assembleia on-line no próximo sábado, dia 20, às 09h e as inscrições para participar encontram-se abertas, com o respectivo link acessível em nossas redes sociais. Vamos discutir a Greve pela Vida, deflagrada desde o dia 30/01 – link para se inscrever e participar da assembleia.

SEPE RJ
 

Leia o relatório sobre a covid nas escolas enviado à SME RJ pelo Sepe no dia 15/03. 

Assine o abaixo-assinado pela imediata suspensão das aulas.

Veja os documentos que o Sepe recomenda que os profissionais que participarem da Greve pela Vida assinem e enviem às direções de escolas. 

0